segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Poema de Natal


Imagem extraída do Google

Autoria: Pedro Casaldáliga

- Sentinela, o que há da noite?
O que há da crise?

- De onde perguntas?
Perguntas desde a fome
ou desde o consumismo?
O grito dos pobres
sacode tuas perguntas?

Pastores marginais
cantam a Boa Nova
com flautas e silêncios,
contra os grandes meios,
os meios dos grandes.

Nasceu-nos um Menino,
um Deus nos foi dado.
É para nascer de novo,
desnudos como o Menino,
descalços de cobiça,
de medo e de poder,
sobre a terra vermelha.

É para nascer de novo,
abertos ao Mistério,
ungidos de esperança.

2 comentários:

Márcia Maracajá disse...

Graça, que seu renascer seja leve, e seu voar alto!
Um forte abraço fraterno!

Márcia Maracajá

Graça Graúna disse...

Querida Marcia, grata pela visita. Que a poesia esteja semprenpresente em sua vida. Abraços de luz, feliz natal!