segunda-feira, 24 de maio de 2010

Palavras de Verônica Manauara*


Imagem: Google

Querida mana,
poderia postar no seu blog minha contribuição?
Trabalhando ou orando, em silêncio ou gritando. Amo todos vocês.
Cordiais Saudações,
Verônica Manauara

 -------

"O´ Meu Deus!
Meu Deus, meu Alá, meu Tupã
Estou com medo dos invasores!
Invasores extra-terrestres
Invasores europeus
Invasores políticos
Estou com muito medo!
Invasores invisíveis
Na calada da noite, ou ao romper do dia
A céu aberto ou nas coxias
Sob os olhos dos Santos ou da Virgem Maria
Ninguém faz nada!
Estou com medo ou apreensiva?

O´ Meu Deus!, o´ Nhanderu!, Itwkov´ti!  Deus de Abraão e de todos os mundos!
Tem invasores na Terra, invasores na água, invasores no ar, invasores no corpo,
Corpos estranhos, invasores epidêmicos, agentes multiplicadores
Invasores econômicos e economistas
Politiqueiros, vigários e vigaristas
Estou com medo!
Não sei se é medo ou repugnância
Consultas médicas, consultas fiscais, consultas públicas e mais generais
Procuro a minha sombra, procuro a minha perna que perdi na guerra
Procuro o meu chão
Procuro minha casa... procuro o meu nome certo.
Procuro minha terra – Dizem que só Deus que sabe
Não sei que idade tenho.
Corro e me escondo. Porque invadiram o espaço aéreo, vejo pássaros cintilantes com olhos de fogo estrondando na natureza – invadindo meu teto aberto.
Corro e me escondo apavorada como peixes que fogem da invasão motorizada içando a rede para cobertura mortal.
Corro porque os invasores querem me agarrar, me descobrir dentro do meu corpo, invadir meu interior para violar e mutilar o sagrado berço do futuro
Quero correr, mas não posso, não consigo sair da rede, meus ossos estão fracos, minha voz está cansada, minhas idéias lacrimejam.
Que idade eu tenho? Qual é a idade da Terra? qual a idade sua O´Meu Deus!
Deus da Força, Deus do Trovão, do Tufão e do Vulcão.

Grande Espírito, Criador de Tudo e de Todos
Ajude os invasores, eles perderam tudo – Eles perderam a origem, eles perderam a alma,
Perderam a cabeça, perderam a vergonha
Eles perderam o amor – ou foi perda congênita?

Hananim, Jeová, Javé, Yepá, Olorum!
Invadiram as casas vazias
Invadiram as casas cheias
Invasores na cabeça e bicho de pé na areia
Invasores na plantação, invasores na colméia
E minas diferentes por todo o chão
Invasores dos sonhos, invasores na floresta, invasores cibernéticos.

O´ Deus meu! – Meu Deus de tantos nomes!
Coloque em extinção os que extinguem nosso tudo
Os que extinguem a todos nós.
Eles, os invasores de tantos nomes, de tantos lugares, de tantos boicotes, de tantos anos...

E agora Javé?
A festa ainda não começou,  o voto não adiantou, a promessa não ficou
E agora Javé?
É por toda a parte,
Na parte íntima e parte íntegra
Invasores de esquerda, invasores de direita
É de todo lado
São de todos os partidos... eles são tantos...
De uniforme ou de toga, de carteira ou de diploma, eles são tantos...

O meu Deus! Ó Aúra-Mazda, Ó Omama, O´ Zambi
Sujos ou perfumados, de gravata ou mascarados eles invadem
Invasores armados, borrados, robotizados.
Por que tenho medo e não tenho medo de nada?

Só tenho um trunfo, o trunfo para o Triunfo. Tenho a palavra tradicional guardada, Guardada desde o berço do ventre.
Sabemos quem somos. Conhecemos a tua promessa. Sabemos que somos donos. Sabemos que a última batalha nos legitimará como autônomos e livres Filhos do Grande Espírito e da Mãe Terra. Seremos vitoriosos."


(*)Verônica Manauara – militante  das causas sociculturais e esposa de Manuel Moura, lider Tukano.

3 comentários:

Jairo Cerqueira disse...

És uma sobrevivente vitoriosa. Sua sabedoria não permitiu que invadissem, também, o seu pensar. Que a sua filosofia - nativa - faça renascer nos corações petrificados,a pureza que perdemos; às vezes pelo uso exacerbado e irresponsável de uma 'razão' particularizada.
Um texto pra ser jogado ao mundo.Que as escolas possam ter acesso. Assim como tiveram, mesmo que tardiamente, ao discurso Luther King.
Parabéns.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Meu querido Jairo: a mana Veronica ficará muito feliz com as suas boas palavras. Bjos. Paz em Ñandeu.

Ademario Ribeiro disse...

Graça, que lindo e significativo poema/oração da Verônica Manauara!!! Como é forte!!! A minha emoção é garnde e remonta o período em que envolvi em brumas espirituais - esotéricas - em que - para minha honra - uns anciãos pediam-me para escrever orações para suas emanações/transmutações!

Ê, Monangareté, acolhe esta kunhã e nos acolhe a tod@s!

AR