quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Poetas del mundo: camino al sur con Mapuches


Primer Encuentro Internacional de Poetas del Mundo
“CAMINO AL SUR”
Del 19 al 28 de febrero 2011

Poetas del Mundo” está organizando el PRIMER ENCUENTRO DE POETAS DEL MUNDO “CAMINO AL SUR” - UNE TRAWÜN WALMAPU WIRINTUKUFE “WILLI RÜPÜ MEW”, actividad que se desarrollará del Sábado 19 al lunes 28 de febrero 2011 en Santiago, la capital chilena, la Isla de Chiloé y la Región de los Lagos, a más de Mil kilómetros al Sur de Santiago en pleno corazón del país mapuche. El programa contempla además un acto conmemorativo al primer aniversario del terremoto que sacudió la zona el 27 de febrero 2010, sismo considerado el quinto más violento que se registra en el planeta y que dejó cientos de víctimas fatales y cientos de miles de damnificados. La actividad se llevará a cabo el mismo día 27 de febrero y en el epicentro de la catástrofe que golpeó duramente a los chilenos.
Otro de los momentos fuertes del evento será la visita a los presos mapuches detenidos en las cárceles de Temuco y Angol acusados de protagonizar “actos terroristas”. Muchos recordarán las emblemáticas huelgas de hambre que estos prisioneros realizaron en el transcurso de este año y que tuvo a varios de ellos al borde de la muerte.
Este evento poético se enmarca en lo que es uno de los principales deberes de todo poeta del mundo, “no dejar de visitar ningún barrio para llevar la palabra, como si ésta fuese lluvia que cae sobre la tierra, haciendo ver un espectáculo de gracia, como si fueran flores para los ojos de la humanidad. El poeta será la luz que guía al guerrero como si fuera dunas en la oscuridad de la noche.” [Artículo 8, Manifiesto Universal de poetas del Mundo]
Poetas del Mundo en su misión por la paz, la justicia y la defensa de los pueblos originarios, organiza este primer encuentro internacional de poetas “Camino al Sur”, como una expresión de solidaridad con las comunidades mapuches que desde la llegada del invasor viven en permanente resistencia hacia quienes acosan su existencia. Llamamos a los poetas del mundo entero a tomar conocimiento de la realidad que vive el país mapuche y a expresar su apoyo a través del arte de la palabra.

PROGRAMA
Sábado 19 de febrero

Recepción de los invitados
20:00 Inauguración del encuentro en la Consejería Indígena Urbana. Coctel Mapuche y música mapuche. [Noche Hotel en Santiago]

Domingo 20 de febrero
08:00 Salida al Sur
13:00 – 14:00 Almuerzo en Chillán [Silla del Sol en mapudungun] es una comuna de la zona centro Sur de Chile y capital de la Provincia de Ñuble, además forma junto con la comuna de Chillán Viejo la Conurbación Chillán. La ciudad es también conocida como Cuna de la Patria o Tierra de Artistas. Es sede de la Diócesis de Chillán.
18:00 Llegada a Temuco e instalación en hotel. El nombre de la ciudad procede de Temuko, que es un término en mapudungun que significa 'agua de temo', el temo ['temu' en mapudungun], es un árbol nativo de la familia de las mirtáceas cabezaceas. Temuco es la capital de la IX Región de la Araucanía y de la Provincia de Cautín, Chile, se ubica a 670 kilómetros al sur de Santiago. Por su cercanía a una serie de balnearios lacustres, constituye un centro desde el cual parten diversos circuitos turísticos.
20:00 Acto público frente a la Cárcel de Temuco. Lectura de poemas
22:00 Cena [Noche en Temuco]

Lunes 21 de febrero
09:00 – 11:00 Visita a los presos mapuches en la Cárcel de Temuco. Taller literario.
11:00 Salida al Sur
13:30 – 15:30 Almuerzo en Panguipulli ['Cerros del puma', del mapudungún pangui=púma pulli=cerros] es una comuna ubicada en la Provincia de Valdivia, en la XIV Región de Los Ríos. Posee una población de 33.273 habitantes [censo de 2002] y una superficie de 3.332km². Limita con las comunas de Villarrica, Los Lagos, Lanco y Futrono, así como con la República Argentina. Panguipulli también es conocida como la 'Comuna de los Siete Lagos', ya que en su territorio se encuentran los lagos Calafquén, Pullinque, Pellaifa, Neltume, Riñihue, Pirihueico y Panguipulli, en cuya ribera se encuentra el pueblo del mismo nombre, cabecera de la comuna. Sus primeros habitantes conocidos fueron los mapuches quienes poblaron sus riberas. Si bien el pueblo de Panguipulli fue fundado oficialmente en el año 1946, se conocen registros escritos con su nombre desde 1776. El turismo actualmente es un actividad que toma un realce muy importante en el 'Destino Sietelagos', marca con la cual la comuna de Panguipulli se posiciona en los mercados nacionales e internacionales

15:30 - Salida más a Chiloé. Chiloé es una transformación de Chilhué, la adaptación al español de chillwe, palabra que en mapudungun significa «lugar de chelles». Los chelles [Larus maculipennis], también llamados cáhuiles o gaviotines, son aves blancas de cabeza negra, muy frecuentes en las playas y lagunas del archipiélago. El archipiélago de Chiloé está localizado en el sur de Chile, entre los paralelos 41º y 43º de latitud sur. Comprende principalmente una gran isla, la isla Grande de Chiloé, además de gran número de islas e islotes menores. El archipiélago tiene una superficie de 9.181 km² y contaba con una población total de 154.766 personas en el año 2002.

Otros datos referentes a Chloé:
* Cultura 'tri-meztiza', mezcla de Chonos [pueblo indìgena de la Isla, de rasgos blancos, ojos claros y colorines], Veliches y españoles.
* Enorme cantidad de mitología
* Variado folklore, muchos bailes y canciones
* Amplitud gastronómica, modos de cocina únicos en Latinoameríca
* Ultima posesión del Reino de españa en América Del Sur
* Anexado al reino de Chile en 1826
* Los chilotes colonizaron la patagonia, y tienen presencia en muchos de los hitos màs importantes de la historia nacional como en el combate naval de Iqueque.
* Excepciones jurídicas mundiales, en Chiloé es el unico lugar del mundo en donde las casas son bienes muebles [se mueven de un lado a otro]
19:00 llegada a Ancud e instalación en la estadía
20:00 bienvenida y comida
23:00 clausura [tomando en consideración lo agotador del viaje]

Martes 22 de febrero
9:00 Salida de Ancud a Lelbun
11:45 Llegada a Lelbun
13:00 bienvenida con autoridades de la Comuna y almuerzo chilote
15:00 fiesta religiosa chilota en Lelbun
16:00 presentación de folklor y teatro chilote
17:00 mesas de trabajo
20:00 once Chilota
21:00 fiesta cierre

Miércoles 23 de febrero
9:00 inicio de desayuno en Lelbun
10:00 ida a Castro
10:45 llegada a Castro
12:00 acto bienvenida en Castro
13:00 almuerzo
15:00 recorrido por la Capital Provincial [Castro], [Palafitos, catedral [única expresión barroca de la Isla] feria artesanal, etc.]
18:00 Mesas de trabajo.
19:00 Premiación del concurso literario
21:00 Clausura y regreso a Ancud.

Jueves 24 de febrero
08:00 Salida a Panguipulli
14:00 Almuerzo en Panguipulli
15:30 – 16:30 Encuentro cultural con las comunidades mapuches.
16:30 - Salida a Curarrehue por impresionante ruta de lagos, bosques, ríos y montañas. El nombre Curarrehue es de origen mapuche, en su idioma el Mapudungun significa: Kura 'piedra', Rehue es un altar sagrado [altar de piedra]. Comuna fronteriza que fue fundada en 1981. Se encuentra a 40 Km de la frontera con Argentina por el Paso Mamuil Malal. Su comunidad es principalmente de origen mapuche y las actividades económicas principales son la industria maderera y ganadería. Incipientemente comienza a mostrar sus atractivos turísticos, donde destacan lagos, ríos y volcanes en un entorno protegido de la civilización humana. Existe un museo vivo, donde se puede compartir con los habitantes y degustar de la gastronomía de origen mapuche. La comuna junto a Pucón y Villarrica forman parte del polo de desarrollo llamado lacustre andino. Lugares atractivos son los volcanes Quetrupillán [localmente conocido como Mocho], Lanín [inactivo de cono perfecto] y Sollipulli [tipo caldera], los primeros se encuentran ubicados en el Parque Nacional Villarrica, el que incluye al volcán activo Villarrica, el tercero se encuentra hacia el norte por el camino hacia Reigolil.
20:30 Instalación hotel.
21:00 Cena con autoridades y poetas locales.

Viernes 25 de febrero
09:00 – 13:00 Diversas actividades con la Comuna de Curarrehue
13:00 – 15:00 Almuerzo de despedida de Curarrehue.
15:00 - Salida a Villarrica. En 1552 Gerónimo de Alderete, enviado por el Gobernador de Chile Pedro de Valdivia, partió desde La Imperial [actual Carahue] a fundar Villarrica, en el mismo lugar donde hoy se erige la ciudad. Villarrica fue fundada junto al margen austral del río Toltén y la orilla occidental del lago de Mallalauquén [actualmente, lago Villarrica]. Gerónimo de Alderete la nombró 'Santa María Magdalena de Villa Rica', con alusión a los ricos lavaderos y vetas de oro, que se descubrieron en las quebradas de los oteros y bosques.
18:00 Llegada a Villarrica – Instalación.
20:00 Acto público en el Centro Cultural de Villarrica – Cóctel

Sábado 26 de febrero

09:00 - Salida a Angol. [Subir a gatas] es una ciudad y comuna de Chile, capital de la Provincia de Malleco en la IX Región de la Araucanía. Está ubicada al pie de la cordillera de Nahuelbuta y junto al río Vergara. Se ubica a 569 kilómetros al sur de Santiago. En el año 1560, la ciudad fue trasladada al norte por el Gobernador García Hurtado de Mendoza con el nombre de San Andrés de Los Infantes, pero fue atacada en el año 1599, otra vez por los araucanos.
13:00 Llegada a Angol. Instalación hotel y almuerzo.
15:00 – 17:00 Visita a presos mapuches en la Cárcel de Angol. Taller Literario y acto artístico.
20:00 Acto Poético Artístico en lugar público de Angol.
22:00 Cena

Domingo 27 de febrero
09:00 - Salida hacia a Curanilahue, epicentro del Terremoto del 27 de febrero 2010. A un año del quinto terremoto más grande que se registre en la historia universal, los poetas del mundo se concentran con las comunidades damnificadas del sismo. Curanilahue, en el año 1560, la ciudad fue trasladada al norte por el Gobernador García Hurtado de Mendoza con el nombre de San Andrés de Los Infantes, pero fue atacada en el año 1599, otra vez por los araucanos. En el año 1611 fue trasladada un poco más al sur con el nombre de San Luis de Angol, pero no prosperó. En el año 1637 el Gobernador Lasso de La Vega, la refundó con el nombre de San Francisco de La Vega, pero en el año 1641, fue destruida nuevamente por los mapuches. Fue repoblada el año 1695 con el nombre de Santo Tomás de Colhue, pero fue atacada nuevamente por indígenas. La actual ciudad de Angol, fue fundada definitivamente por Cornelio Saavedra Rodríguez, el 7 de diciembre de 1862.
12:00 - Acto conmemorativo al terremoto del 27 de febrero en la plaza de Curanilahue.
13:30 – 15:00 Almuerzo en Curanilahue.
15:00 salida rumbo a Santiago.

Lunes 28 de febrero
09:00 – 13:00 Acto de Cierre en Sala América de la Biblioteca Nacional. Invitados comparten con los poetas y artistas de pueblos originarios [Mapuche, Aymara, Rapa Nui] Conferencias, presentación de libros, Lecturas, números artísticos y entrega de diplomas.
13:30 Almuerzo de despedida

domingo, 26 de dezembro de 2010

De árvores e livros

Gosto de livros, desde que me entendo de gente. Lembro do primeiro livro que eu li. Eu estava com treze aninhos de idade, quando li de um só fôlego “O diário de Anne Frank”; mas hoje me dou ao direito de não falar de leituras pesadas. Todavia, para espantar as muitas tristezas que me acompanham, tomo a liberdade de estampar no meu blog um cartão natalino que circula no espaço virtual desde 2009; trata-se de uma árvore de livro - uma criação de Kristen do Mediatinker.

O tema dessa árvore vai ao encontro dos meus desejos, dos meus sonhos, embora nem sempre eu consiga realizá-los. Nesta última semana de 2010, tudo que me fica é ainda o direito de sonhar a magia de um Natal – como a gente vê nos filmes: gente bonita circulando pelas ruas; os amigos verdadeiros trocando presentes; os pais encontrando os filhos; os parentes menos aflitos; as mães amamentando seus filhos; o frio da noite diluído pelos raios de sol, ainda que a fome aperte o estômago dos desamparados sob o viaduto.

Apesar das tristezas sinto a magia das luzes piscando nas grandes avenidas ou nas palafitas que circulam os mangues de Recife e de outras partes mais pobres do Brasil; sinto a magia das luzes piscando entre as árvores que alimentam o imaginário em torno da existência de um bom velhinho; a magia dos bonecos de neve inexistente, mas isso não tem a mínima importância. Magia é magia e adquire várias maneiras de se revelar: seja uma árvore de natal elaborada pela fantasia ou o encanto das árvores que nos acolhem no dia a dia em nossas casas, em nossa escolas, em nossas aldeias...

Creio que seja também magia a estranha força que muitas vezes nos sacode e nos reanima para tocar a árvore da vida e alimentar nossos sonhos de paz mesmo que cercados por conflitos e violência.

Coincidentemente, nessa árvore aparecem doze livros sobrepostos a sugerir, talvez, uma boa leitura para cada mes do ano. Que assim seja. Então, com esta árvore de livro, faço votos de um Feliz 2011 para todos(as)com a alegria do Curumim-Jesus, o nosso Deus-menino.

Paz e bem,

Graça Graúna
Nordeste do Brasil, 26 de dezembro de 2010.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Indígenas são os mais pobres do mundo, diz Banco Mundial.

 
Povo  Guajajara (aldeia Maraçaranduba,  povoado Três Bocas, em Alto Alegre do Pindaré, São Luís do Maranhão). Imagem: http://revistaecologica.com


Estudo faz um mapa das condições sociais de indígenas em sete países entre 2005 e 2010.
Os indígenas ainda são os mais afetados pela pobreza, baixo nível educacional e maior incidência de doenças, revela um estudo do Banco Mundial, em parceria com o Fundo para o Desenvolvimento Sustentável Social e do Meio Ambiente.
Segundo a pesquisa, os indígenas são mais discriminados do que outros grupos.

Pobreza

O estudo dá uma visão geral de uma série de indicadores referentes a esses povos e mostra como as condições sociais dos indígenas evoluíram entre 2005 e 2010 na República Centro-Africana, China, Congo, Gabão, Índia, Laos e Vietnã.
A pesquisa abrange a primeira metade da Segunda Década Internacional das Populações Indígenas do Mundo.
O relatório tem como objetivo documentar a situação de pobreza dos povos indígenas que vivem fora do continente americano, da Nova Zelândia e da Austrália.

Colonização

Numa entrevista à Rádio ONU, Marcos Terena, membro da Cátedra Indígena Internacional, disse que os interesses econômicos afetaram as condições de vida dessas populações.
"A pobreza para os povos indígenas nunca existiu. Ela começa a aparecer no momento em que o colonizador leva em conta o potencial energético, o potencial comercial de cada região indígena. Nós queremos mostrar que é possível construir aquilo que a modernidade chama de mundo melhor, através de um compromisso com o futuro, onde os recursos financeiros não sejam a base da moeda da vida, mas seja a base também de um tipo de mundo que queremos deixar para as novas gerações."
Mas alguns países têm feito progressos para melhorar as condições de vida dessas populações. O estudo aponta que as taxas de pobreza diminuíram de forma expressiva entre os indígenas na Ásia.
O Banco Mundial e especialistas de várias instituições se reúnem nesta segunda-feira em Washington para debater o assunto.

Fonte: Rádio ONU, em Nova York.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Somos muitos severinos: um auto do natal pernambucano



“Somos muitos Severinos
iguais em tudo nesta vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas,
e iguais também porque o sangue
que usamos tem pouca tinta.”

No dia 15 de dezembro, à noite, a cidade de São João (localizada no agreste meridional, a 230km do Recife) acolheu o clássico poema de João Cabral de Melo Neto: “Morte e vida severina”.  
A história do migrante Severino foi encenada com brilhantismo pelos alunos da Escola Estadual João Ferandes da Silva, sob a direção da professora Karina Calado.  Os (as) alunos(as) do 3º Ensino Médio e a Professora Jaíra Pinteiro fizeram o cenário e a ilustração. A adaptação do poema para o teatro ficou a cargo do jornalista Leonardo Bastos e o registro fotográfico sob a responsabilidade de Karolina Calado.
O “auto do natal pernambucano” -  subtítulo do referido poema de João Cabral - conta a trajetória de Severino: um retirante igual a muitos outros que parte para o litoral, fugindo da seca. Ao chegar na Capital, a vida não parece atraente como Severino imaginara: menos sofrida, isto é, menos "severina". Em suas andanças, entretanto, o retirante se depara a cada instante com outros severinos que sobrevivem nos mangues de Recife. Desse modo, ele vê que o seu  desespero é semelhante a dos homens e mulheres que habitam as margens da cidade grande.  
Severino tem dificuldades para se diferenciar dos outros "severinos", pois são "iguais em tudo na vida". Como se pode ver, este Severino representa a todos e apesar de cercado pela morte, ele não perde a esperança de uma vida melhor: esperança no filho que vai nascer. 

Os vizinhos e os amigos cantam em louvor ao menino; trazem presentes de todos os tipos e de todos os cantos de Pernambuco. Para o recém-nascido,  duas  ciganas preveem uma vida enlameada de pescador pobre, outra de operário um pouco menos pobre. Todos cantam a beleza do recém-nascido; a beleza da vida que se multiplica e renova, reafirmando, assim, o valor da vida, ainda que seja uma vida "severina".

Nordeste do Brasil, 20 de dezembro de 2010.
Graça Graúna

sábado, 18 de dezembro de 2010

Imagens do Natal



Yes,
natal
que é natal
tem que ter estrela
bem no topo da árvore,
de preferência, banhada
de purpurina. Enfeites, efeitos
grifes, beijinhos, velas, guardanapos,
CDs, framboesas, cartões de crédito, postais
e poemas que não falem do absurdo presépio
sob o viaduto
em construção


Graça Graúna
in Tessituras da Terra-2001
BH-MG

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

...árvore-palavra, história & histórias



Um livro pode ter variadas formas: pode ser grande ou pequeno; de papel, de retalhos ou do que mais a imaginação criadora nos permitir.  Um livro pode reunir muitas idéias como se fora uma teia de histórias ligadas a outras histórias ou a poemas. Importa a palavra (em prosa ou em verso), quer seja milenar ou atual.
As ideias, aqui, reunidas em parte são originadas da oralidade e de outros livros de papel. Melhor dizendo: aqui, reunimos histórias vindas das árvores porque é delas, das nossas irmãs-árvores que os nossos amigos-livros se alimentam e, consequentemente, alimentam também os nossos sonhos de leitores(as) inquietos(as).  Poderíamos também chamar de intertextualidade esse fenômeno de leituras cruzadas, como se diz no campo da teoria literária.  
O grande desafio foi enveredar pela grande floresta do saber e em meio a pesquisas, diálogos, escrevemos um livro que intitulamos: “Uma árvore me contou”.  Tudo aconteceu durante as aulas de Literatura Infantil, ministrada por mim, no IV Período de Letras, à noite, no segundo semestre de 2010. Convém salientar que os(as) autores(as) desenvolveram também a escrita e as ilustrações deste livro em suas casas, de maneira que parte das ilustrações tiveram a colaboração de familiares e de amigos simpatizantes da literatura.
Do ponto de vista metodológico, sugeri que o IV Período de Letras formasse dez grupos de maneira que cada grupo escolhesse uma obra de Literatura Infantil e que pudessem construir um livro coletivo. Dito e feito. Fizemos pequenas rodas de conversa em torno do que é literatura infantil. As histórias-adaptações e ilustrações foram se formando a partir das seguintes obras literárias, todas elas consultadas para ajudar na composição do nosso livro:

BARBOSA, Rogério Andrade. Histórias africanas para contar e recontar. São Paulo: Editora do Brasil, 2001.

KITHÃULU, Renê. Iraksu – o menino criador. São Paulo: Peirópolis, 2000.

MACHADO, Ana Maria; PORTINARI, Candido. As aventuras e desventuras de Dom Quixote de La Mancha. São Paulo: Mercuryio Jovem, 2005.

PEREIRA, Édimo de A.  Contos de Mirábile. Belo Horizonte: Mazza, 1988.

PRIETO, Heloisa. O imperador amarelo. São Paulo: Moderna, 2007.

SAINT-EXUPERY, Antoine. O pequeno príncipe. Rio de Janeiro: Agir, 2000.

SING, Rina. Uma floresta de histórias. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

STEFANI, Stefanio. Eneida – as aventuras de Enéias. São Paulo: Paulinas, 2002.

UNGERER, Tomi. Os três ladrões. São Paulo: Global, 2008.

VIANA, Arievaldo. A ambição de Macbeth e a maldade feminina. São Paulo: Contexto, 2008.

WILD, Margaret. Raposa. São Paulo: Brinque Book, 2005.

Sem sombra de dúvidas, as pequenas rodas de conversa acerca de Literatura Infantil nos levou aos grandes clássicos, a exemplo de Eneida (mitologia grega); nos aproximou também da grandeza da literatura dos povos indígenas (a exemplo de Iraksu, um mito do povo Nambikwara) e alimentou a nossa sede de saber com uma série de histórias contemporâneas. Espero que este trabalho alimente outras possibilidades de leitura, pois uma árvore me contou que as boas sementes se multiplicam quando o solo é fértil e o IV Período de Letras, da UPE/Campus Garanhuns, mostrou bem isso.
Tenham todos(as) uma boa leitura.
Nordeste do Brasil, 8 de dezembro de 2010

Profª. Graça Graúna

Foto: J. Laeciode Oliveira

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Direitos Humanos: avanços e pendências de 2010



Texto: Natasha Pitts  (Jornalista Adital)*


Pelo 11º ano consecutivo, foi lançado o "Relatório Anual Direitos Humanos no Brasil". O documento, publicado pela Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, tem a participação de membros de mais de 30 organizações sociais que fazem um apanhado do cenário brasileiro no que diz respeito aos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais. O relatório foi apresentado ontem (7), na Câmara Municipal da cidade de São Paulo.
Política agrária, demarcação de terras, direito ao trabalho, à infância, segurança pública, trabalho escravo, questão LGBT, ações afirmativas para afrodescendentes e educação são apenas alguns dos temas analisados em 26 artigos que compõem o relatório de Direitos Humanos. A publicação, lançada em português e inglês, faz ainda um balanço sobre a situação dos direitos reprodutivos no último ano e uma análise dos quatros anos da Lei Maria da Penha.
O relatório traz dados históricos das lutas no país, mas, de acordo com Maria Luisa Mendonça, jornalista e coordenadora da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, os artigos se atêm ao ano de 2010, revelando os desafios, avanços e pendências do Brasil.
"Este ano, um dos avanços da luta popular foi a conexão entre diversos temas, a articulação da unidade das lutas. Trabalhou-se para mostrar que os direitos humanos estão no nosso dia a dia e assim mudar a ideia que ainda persiste na cabeça das pessoas de que os direitos humanos são só para os bandidos. Outro avanço foi conseguir levar os direitos humanos ao centro das decisões políticas".
A fala de Maria Luisa é comprovada com o prefácio do relatório, que garante que "hoje o movimento de mulheres apoia a luta quilombola, o movimento sem-terra defende o fim da impunidade em relação aos crimes da ditadura e o movimento LGBT defende os direitos da criança e do adolescente" e assim "nesta grande fusão, as lutas sociais se diversificam, ramificam e fortificam".
Outro passo à frente dado pelo Brasil foi relatado no artigo que abre o relatório. Escrito por Aton Fon Filho, advogado e diretor da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, o artigo relata a histórica condenação dos matadores de irmã Dorothy Stang e do proprietário de uma fábrica de fogos de artifício em Santo Antônio de Jesus, na Bahia, que explodiu matando 64 pessoas. A articulação de setores sociais garantiu que os casos fossem levados à frente e culminassem em justiça, provando que o Brasil pode deixar de ser o país da impunidade.
No rol dos desafios, o Brasil precisa olhar com mais atenção para questões como a reforma agrária, que avançou pouco nos últimos anos; a demarcação de terras indígenas e quilombolas, a construção desenfreada e impactante de grandes empreendimentos e a utilização dos recursos naturais de maneira responsável.
Maria Luisa relembra ainda que, para além desses desafios mais recentes, o Brasil ainda guarda pendências antigas com o seu povo, como a abertura dos arquivos da ditadura, a persistência da prática da tortura e também da impunidade.
Alguns temas mostraram tanto desafios como avanços neste ano, como é o caso do trabalho. "Houve uma ampliação do acesso ao trabalho, a luta dos trabalhadores também avançou, foi registrada uma grande quantidade de greves, mas se percebeu uma constante criminalização dessas greves com a aplicação de altas multas, o que faz com que a população não apoie a causa dos trabalhadores e pense que sai prejudicada", revela Luisa.
"Nós já tivemos bastante tempo para resolver problemas históricos como o da saúde e da educação. Nosso país não é pobre, nós temos recursos, mas o que necessitamos, na verdade, é de vontade política", finalizou a jornalista.


Relatório de Direitos Humanos no Brasil 2010 na íntegra: http://www.social.org.br/

 Nota: ao publicar em meio impresso, favor citar a fonte e enviar cópia para: Caixa Postal 131 - CEP 60.001-970 - Fortaleza - Ceará - Brasil

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A presença indígena no Mérito Cultural



Em 1995, o Ministério da Cultura criou a Ordem do Mérito Cultural que trata do reconhecimento do Governo Federal a personalidades, grupos artísticos, iniciativas e instituições que se destacam por suas contribuições à Cultura Brasileira.
Há 15 anos, mais precisamente, o Dia Nacional da Cultura (5 de novembro) marca essa cerimônia. Desde a sua criação, já foram entregues mais de 400 condecorações a personalidades nacionais e estrangeiras. O local das condecorações é o Theatro Municipal do Rio de Janeiro.
Em 2010, duas mulheres indígenas se destacam entre as personalidades nacionais. Elas atuam no campo dos direitos humanos, especificamente no que se refere aos direitos dos povos indígenas: 
Azelene Inácio Kaingáng – natural de Carreteiro, terra indígena localizada no Rio Grande do Sul, formou-se socióloga, e sua luta em defesa dos povos indígenas lhe rendeu, entre outros, o Prêmio Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, em 2006. 
 
foto 1: Azelene Kaingang

Joênia Wapixana - da aldeia indígena Wapixana (RO). Aos oito anos, mudou-se com a mãe para Boa Vista, onde passou a frequentar a escola. Não falava bem o português e tinha dificuldade de acompanhar as aulas. Em 1997, tornou-se a primeira advogada indígena do Brasil. É conhecida por sua atuação na demarcação da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol e considerada uma das lideranças populares mais respeitadas no país.
foto 2: Joênia Wapixana
Ao longo da história do Mérito Cultural, a presença indígena vem contribuindo para a reflexão acerca da diversidade cultural que caracteriza o nosso país. Desse modo, foi homenageado o Povo Panará (indígenas do Mato Grosso e do Pará), em 2004 (veja foto 3, abaixo):
foto 4: Daniel Munduruku

A condecoração em 2006 foi para o escritor indígena Daniel Munduruku e o Ailton Krenak (embaixador indígena), em 2008. Com essas homenagens, a Ordem do Mérito Cultural abre uma janela para que a sociedade perceba uma realidade que, em geral, o brasileiro desconhece; pois há mais de 500 anos os governantes vêm criando barreiras no processo de inclusão da cultura e da história indígena nas escolas.

 foto 5: Ailton Krenak
A homenagem do mérito cultural aos povos indígenas e mais a Lei 11645/08 são uma forma de abraçar a cultura do outro.  Isto significa uma grande mudança e um passo a mais no reconhecimento dos povos indígenas na condição de primeiros habitantes do nosso país e a sua relevante contribuição para à formação, à cultura e à história brasileira.


Texto:  Graça Graúna
Nordeste do Brasil, 3.dez.2010

Crédito das imagens:

Foto 1:
Foto 2:
Foto 3:
Foto 4:
Foto 5:

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Documento final do Seminário: mulheres indígenas e a Lei Maria da Penha


União de mulheres indígenas a serviço de um todo.
Nós, mulheres indígenas do povo Pataxó Hã Hã Hãe, das aldeias Bahetá e Caramuru, com participação de representantes dos povos Tupinikim e Payayá, nos reunimos na Aldeia Bahetá, no município de Itaju do Colônia, Bahia, entre os dias 26 e 28 de novembro de 2010, para realização do I Seminário de Mulheres Indígenas sobre a Lei Maria da Penha.
No Seminário, homenageamos a Índia Bahetá, da etnia Baenã, que viveu mais de 100 anos e faleceu em 1992, durante uma epidemia de cólera. Ela foi a última falante da nossa língua e um símbolo de resistência das mulheres Pataxó Hã Hã Hãe. Lutou bravamente na defesa dos direitos do povo Pataxó e sempre na conquista do nosso território e resistiu a todas as formas de discriminação, opressão, e nunca se curvou diante do poder econômico daqueles que sempre usurparam as nossas terras, nossa cultura e nossa autodeterminação.
São 28 anos de luta pela reconquista do nosso território, que compreende os municípios de Camacã, Itaju do Colônia e Pau Brasil. Vários dos nossos tiveram suas vidas ceifadas e seu sangue derramado sobre o território almejado, em detrimento da luta. Em face da morosidade do Judiciário brasileiro, intensificam-se os conflitos fundiários e impede-se o desenvolvimento de políticas públicas que visam a autosustentabilidade do povo Pataxó Hã Hã Hãe.
A nossa cultura é de respeito, bater em mulher não é coisa de índio. Repudiamos a violência contra as mulheres, que não é apenas física, mas também se dá por meio de palavras e é agravada pelo alcoolismo. Muitas mulheres sofrem ameaças; alguns homens exigem que elas se dediquem apenas à casa, atendendo a suas vontades e, por ciúme e com medo de que elas passem a concorrer com seu poder, criam dificuldades para que elas estudem, trabalhem e participem do movimento indígena.
Queremos que homens e mulheres tenham as mesmas oportunidades, que as relações sejam baseadas no respeito e companheirismo, e que os homens valorizem e se envolvam na luta das mulheres. As mulheres devem se fortalecer, conhecer seus direitos, as políticas públicas e a legislação direcionadas a elas. No que diz respeito à violência, devemos aprofundar nossos conhecimentos sobre a Lei Maria da Penha e exigir que ela seja cumprida, para que possamos recorrer a ela em situações em que o diálogo e nossos mecanismos de resolução internos não solucionem os conflitos.
Como resultado dos nossos debates e oficinas, apresentamos as seguintes propostas:

• Que no dia 29 de outubro seja comemorada a memória da nossa parente Bahetá.
• Criar uma associação de mulheres da Aldeia Bahetá, visando o desenvolvimento de atividades produtivas, que contribuam para a geração de renda, autonomia das mulheres e fortalecimento da nossa cultura.
• Buscar projetos que visem o desenvolvimento de atividades como: agricultura, produção de artesanato, corte e costura e produção de remédios caseiros.
• Buscar apoio para capacitar as mulheres sobre como organizar associações e escrever projetos, com o intuito de fortalecer a produção das mulheres.
• Envolver as/os jovens nas atividades culturais e produtivas, possibilitando a organização de seminários de jovens indígenas.
• Buscar condições para o envolvimento das/os deficientes nas atividades da aldeia, garantindo-lhes oportunidade de estudo e trabalho.
• Buscar condições para realização de trocas de experiências entre as nossas parentes, valorizando o conhecimento das nossas anciãs e dos nossos anciões, conhecendo as atividades que já são desenvolvidas e as associações de mulheres já existentes.
• Pressionar para que a criação da Coordenação Técnica Local de Itororó (Funai) traga avanços para o povo Pataxó Hã Hã Hãe da Aldeia Bahetá e Panelão.
• Denunciamos os problemas que alguns indígenas vêm sofrendo em relação ao registro civil, muitas vezes não sendo aceito o RANI como documento válido.
• Denunciamos o descaso com a saúde indígena e a falta de saneamento: nossa aldeia sofre com infestação de escorpiões; não dispomos de posto de saúde na aldeia, sendo as consultas realizadas precariamente na escola; não temos tratamento de água e de esgoto. São necessários veículos para atender à comunidade em casos de emergência.
• Denunciamos também os casos de discriminação de indígenas pelo SUS, manifestado na recusa em atender ou no mau atendimento.
• Esperamos que a criação da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), no âmbito do Ministério da Saúde, traga melhorias concretas na atenção à saúde indígena. Exigimos que seus funcionários sejam capacitados e que respeitem as/os indígenas, nossa cultura e nossos costumes. O novo órgão deve monitorar a implementação das ações, não deixando a função de fiscalizar a cargo apenas das/os indígenas.
• Demandamos que sejam garantidas condições para o atendimento à saúde, gratuito e com qualidade, com equipamentos e estrutura adequados, exames, medicamentos e vacinas.
• Exigimos especial atenção às necessidades específicas da saúde da mulher, garantindo-se atendimento ginecológico e acompanhamento às gestantes.
• Exigimos que o poder público atenda às necessidade específicas da saúde de nossas anciãs e anciões.
• Demandamos que nossos agentes de saúde indígena sejam valorizados pelo poder público, recebendo condições adequadas de trabalho, e que também se amplie as vagas para agentes de saúde e AISAN.
Que as demandas aqui expostas sejam atendidas, para que a nossa comunidade em um futuro próximo possa assim, junto com os órgãos competentes e parceiros, ter um projeto que torne a vida de nosso povo independente. Tudo o que queremos é nossa autossustentação, pois não queremos que ninguém nos veja como coitados, e sim como pessoas capazes de criar e avançar em nossos objetivos.

Texto: akanawan – e imagem disponível disponível em: Índios Online.
----------

domingo, 28 de novembro de 2010

Mulheres indígenas debatem a lei Maria da Penha


 Imagem: indiosonline

Esta acontecendo na Aldeia Bahetá pela primeira vez o I Encontro de Mulheres Indígenas para Debater sobre a Lei Maria da Penha.
O Encontro começou no dia 26 e termina no dia 28 do mês de novembro do corrente ano. Esse evento conta com a presença de Daniela da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da Republica, Karina da Funai, Jovanildo Vieira dos Santos Coordenador Técnico Local de Itororó das Aldeias Bahetá e Panelão, Josiane Santana representante da Secretaria de Educação.
As Mulheres Indígenas estão focando a Lei Maria da Penha como ferramenta para buscar seus direitos e torná – lo autentico e respeitado, no primeiro dia foi feito o credenciamento e recepção dos visitantes, logo em seguida o Cacique Akanawan Baênã Hã Hã Hãe tornou oficial o Seminário dando as boa vindas falando da relevância do encontro para as mulheres indígenas da Aldeia Bahetá. Em seguida Dona Maura parabenizou todas as pessoas que acreditaram na realização do evento. As mulheres indígenas consideradas guerreiras pelo Povo Pataxó Hã Hã Hãe se apresentaram falando das expectativas e desafios a serem sanados ao final desse encontro. Depois o Grupo Tyhi Xohã fizeram uma apresentação cultural de boas vindas ao Seminário.

Teto de : akanawan – disponível em:  Índios Online.