domingo, 18 de outubro de 2009

Três poemas para Sepé Tiaraju

Imagem: Brunortiz


Poema I
O GUARANI

Sepé Tiaraju foi um guerreiro
defendeu com a vida o rincão
da caça, da pesca e do plantio
do guarani contra a invasão

Da real história poucos sabem
o que se deu no século dezoito.
Sepé Tiaraju morto em combate
em nome da cultura do seu povo.

Junto a mil e quinhentos guaranis
afirmando que “esta terra já tem dono”.
na luta contra o mal ele morreu

Mas contam lá em São Miguel
quando a noite parece mais pituma
o guerreiro Sepé vira uma estrela


Poema II
ALMAS PEREGRINAS


Entre as histórias mais belas
do Rio Grande do Sul
é impossível esquecer
a canção de amor e morte
de Pulquéria e Tiaraju.

Na antiga São Miguel
com a lua por testemunha
em meio a flores silvestres
onde pousam tantos pássaros
se encontram os amantes.

É um amor tão bonito
que Ñanderu nos faz ver
o que há de mais sagrado
na história de Pulquéria
e o seu amor por Sepé.

Foi na Guerra das Missões
que o amado parente
enfrentou as duras penas
e as lágrimas de Pulquéria
deram luz a uma nascente

Diz a lenda que Pulquéria
no rio ainda se banha
enquanto o guerreiro amado
segue o Cruzeiro do Sul
quando a noite é mais pituma.


Poema III
MULTIPLICANDO A SEMENTE

Foi Sepé Tiaraju
que pela vida ensinou
multiplicou a semente

da resistência indígena
afirmando sem receios
que “Essa terra tem dono”

pois desde que o vento é vento
desde que o céu é céu
desde que o mar é mar

“Essa terra tem dono”
como quer o Grande Espírito
Ñanderu, o Criador.


Graça Graúna, Nordeste do Brasil, 24 de agosto de 2009
Nota: publicado no Overmundo.

8 comentários:

Helder Herik disse...

Graça, parabéns pelos poema, pela caminhada e pelo blog.

Muita personalidade aqui.

Abração

GRAÇA GRAÚNA disse...

Poetamigo Herik: grata pela atenção,, pelo carinho. Amo seu poetar. Bjos.

iracema forte caingang disse...

Belo poema!Sou grata de coração a todos heróis indígenas, meu povo tem muitos heróis e eu sou feliz por isso.
BEIJOS

GRAÇA GRAÚNA disse...

Iracema, querida irmã de luta: nossos heróis morreram em nome da nossa identidade indígena. Grata pela visita. Paz em Ñandearu, Grauninha

Wagner Marques disse...

Ai, Graça, sinceramente... seus poemas me emocionam muito. São tão ternos e, ao mesmo tempo, pontiagudos.

Saudades

Madalena Barranco disse...

Querida Graça,

Seus poemas plantam sementes encantadas, que viram estrelinhas em nossos corações, assim como a história do guerreiro.

Beijos.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Minha querida Magalena Barranco: li seu poema que é quase um tanka. Não importa a forma, mas o conteúdo belo que a sua poesia propaga no universo. Bjos, paz e luz. Grauninha

GRAÇA GRAÚNA disse...

Meu querido Wagner: viu como os nossos ancestrais estão por perto? Logo que acabei de ler sua mensagem no meu blog, você apareceu na minha sala todo radiante. Grata pela atenção, pelo carinho. Bjos, Grauninha