domingo, 3 de maio de 2009

Kuá, a explosão feminina!


...a mesma história, sim,
de sangrar todo mês
de chegar na farmácia
e pedir um tampão pra calar o mugido.
Se isto te aborrece,
paciência!
Quem disse que se mede uma dor,
se é maior ou pequena?

Trago sede de viver
apesar da exclusão
e de sangrar por dentro.
Se isto te enfurece,
paciência!
Custa entender
que Deus também veste saia
e conversa comigo?


Graça Graúna
Nordeste do Brasil, 3 de maio de 2009.


Nota: era aproximadamente 15 horas, quando acabei de parir mais um poema. Ademario Ribeiro, mesmo longe, ajudou na hora da “pensação” (como ele diz) na feitura do nome do rebento. Ele sugeriu kuá (em tupi, significa: fenda, luz, mundo, buraco, vida no universo...); tudo a ver com a fertilidade vermelha que sai do buraco feminino que enche de vida e dá "luz" para o mundo. A imagem de Frida foi uma sugestação de Agnes, minha filha. E o nome do poema ficou assim: Kuá, a explosão feminina!
-------------
Nota: poema publicado no Overmundo.

10 comentários:

GRAÇA GRAÚNA disse...

Comentário da minha filha Agnes, no dia 3 de maio de 2009, as 1h55min

Sempre me surpreendo com a força de suas palavras, você consegue ser tão objetiva e incisiva! Exemplo de força pra mim

GRAÇA GRAÚNA disse...

mensagem pessoal de Ademario Ribeiro, no Overmundo (3/5/2009, as 18:08):

Urru! Arrá!
Põe já
p'ra publicar
este mundo parido
na fenda de Grauná!

lindo, lindo p'ra viverP'ra vingar
a vida a desejar
ardente,
sempre,
semente
da Graça e do Encantar!!!

AR

José Carlos Brandão disse...

A poesia é feminina: por isso sangra.

Abraços.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Mestre Carlos: fico feliz por demais com a tua presença. Bjos.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Agnes, minha filha muito querida: bom demais te ver aqui.Volte sempre, a casa é sua. Bjos e bençãos, mainha.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Ademario, meu querido: amo essa luz que vem de você. Grata por tudo. Bjos.

Gerusa Leal disse...

Kuá, que sangra, que singra, sem cura. Belo poema vertido de entre as pernas da vida.
Poesia, irmã, poesia.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Gerusa Leal, querida irmã de luta: grata por tua presença cheia de vida. Paz em Ñanderu, Grauninha.

Milena Vanessa disse...

Ufa! a própria explicação do poema já constitui outro poema. Também gosto de poemas e arrisco alguns versos. se tiver um tempinho, visite-os: lenitivocultural.blogspot.com

Abraços...

Wagner Marques disse...

quanta facilidade essa Graúnica tem para ver nos detalhes a mais pura poesia!