sábado, 28 de março de 2009

Nem mais, nem menos

 
Imagem Google. Lua e Sol

Um homem, uma mulher
são o que são:
palimpsestos
pássaros
deuses
mágicos
videntes
astro/estrela
de Altamira à Lascoux
Asteca
Pankararu
Fulni-ô
Xavante
Potiguara, quem sabe?
Íntimos irmãos da terra
salvaguardam o limo das pedras
o voo dos peixes
e os sagrados rios
navegáveis


Nordeste do Brasil, 28.mar.2009
Graça Graúna. Canto mestizo. Maricá/RJ: Blocos Editora, 1999, p. 40 [com prefácio de Leila Miccolis].
Nota: poema publicado no Overmundo com 127 votos.

9 comentários:

Nydia Bonetti disse...

Lua e sol... Irmãos da terra - Somos todos. Embora que tão distante andemos da nossa humana condição de criaturas...
Beijos

GRAÇA GRAÚNA disse...

Nydia Bonetti: poetamiga, obrigada por sua leitura. É uma honra muito grande para mim, recebê-la no meu humilde blog. Bjos de luz.

-----------------------------------------------------------------------Cristiano Melo disse...

Querida Graça,
que bom saber que existem seres ue salvaguardam seres, dá um cadinho de otimismo na humanidade...E precisamos desse otimismo, tão pessimista ue sou, gosto de ler algo assim...
beijos

GRAÇA GRAÚNA disse...

Cris, meu lindo: eu sei que o mar num tá pra peixe, mas não caia no pessimismo não, viu meu irmãozinho? Precisamos de você, desse ser largo que você é. Lembre-se que você é um dos seres que salvaguardam esse planeta. Bjos. Grauninha

José Carlos Brandão disse...

Lindo, Grauninha.
Enquanto cantarmos, sobreviveremos.
Somos árvores, com as raízes cada vez mais dentro da terra, em mítica comunhão.
Somos árvores e cantam pássaros em nossos galhos.
A vida é linda, não desesperemos. A vida é linda, linda.
Beijos.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Carlos Brandão: querido mestre, poeta e amigo. Sim, a vida é bela quando temos por perto pessoas de espírito avançado, assim, iguais a você. Fico muito feliz com o seu comentário que é feito arvore de raíz profunda ficada no centro da terra. Paz em Ñanderu, Grauninha

GRAÇA GRAÚNA disse...

Quero compartilhar o comentário que recebi do meu amigo Gê (José Geraldo Maciel), em 30 de março de 2009, 14:40
assunto - Graça Graúna: Nem mais, nem menos. Enviado por blogger.bounces.google.com

Ler Graúna é como viver livre entre as feras do campo: peito ofegante, o gozo da liberdade,sutil presença do encantado dentro das profundezas da nossa alma.

Sônia Brandão disse...

O homem e a mulher são filhos da terra. Quando tomarem consciência dessa filiação quase divina, poderemos ter alguma esperança.
Beijos.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Sônia, minha querida irmã das letras: tenho fé em Ñanderu que esse não tardará. No caminho da esperança, sempre. Grata pela visita. Grauninha