quinta-feira, 12 de março de 2009

Cantares

Imagem Google. Maestro João Carlos Martins - poesia e superação

Hace sombra en las calles?
Louvai as almas das pedras
tecei o encanto.

Hace sombra en tu pecho?
Cantai. Apesar dos tremores
estamos sobrevivendo.

Cantai, que as manhãs chuvosas
pedem um canto de sol
de vibrar céus e terra.

Hace sombra en todas las calles
y en tu pecho? Cantai.
As dores do mundo são as dores do poeta.

Graça Graúna. Tessituras da terra. Belo Horizonte: M.E. Edições Alternativas, 2001, p. 37.

Nota: Dia da Poesia - penso no maestro João Carlos Martins (exemplo de superação) que tem a poesia na ponta dos dedos ao tocar o amigo-piano. Minha homenagem também aos poetas hispânicos Camilo José Cela e Francisco Arias Solis. Poesia, sempre.

7 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Olá, Graça!
Tenho uma poema de uma linha:

AS FLORES DE PEDRA

Quando as dores do mundo são a dor.

Estamos em comunhão. Deus a abençoe.

Um beijo carinhoso.

Juliano Sanches disse...

Olá Graça. Seu blog, com muito bom gosto, é cheio de graça, ou melhor, de Graças. Cada Graça com seu esplendor. Gostei muito dessa poesia. Fala sobre uma questão que admiro muito: Não devemos pensar que dominamos a natureza. Ela é indomável. Devemos ser uma parte dela, como se fossemos a semente de um mesmo fruto. Não somos alheios à natureza. Ela também é parte da gente. Nessa semana, eu comecei a tratar de questões semelhantes ao que foi apontado por essa poesia no meu blog. Faço uma comparação entre as cabeças e as cabaças. Tento mostrar como, em atos vãos, as pessoas tentam se separar da natureza. Precisamos ver, escutar, tocar, cheirar, degustar, sentir a vida além das aparências/ilusões nossas de cada dia. Cito o banquinho como um palco de boas prosas, uma representação da cuca fresca e alegre do povo rural. Devemos seguir a sabedoria das pessoas que convivem com o cheiro da terra e das matas e, assim, nos libertarmos das máscaras, para que não nos tornemos robopatas, domesticados.

Visite minha Casa, quando puder.

O endereço é:

(http://casadojulianosanches.blogspot.com/).


Um grande abraço.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Meu bom Juliano: saiba que é com enorme prazer entrar em sua casa que é tão acolhedora. Sempre que possivel estou acompanhando também os teus passos. Tanta coisa linda e verdadeira você diz....ah, o xêro da terra, coisa que quase ninguém para pra sentir. Que Ñanderu esteja sempre com você. Grata pela visita e pelo carinho. Bjos de luz, Grauninha.

GRAÇA GRAÚNA disse...

Meu querido mestre Carlos Brandão: que Ñanderu acolha as pedras das nossas canções. Que seja pedra enquanto leveza. Sua presença é um sinal de que sem a poesia os tempos não existirão.Bjos de luz pra você e Sonia.

ana & thaís disse...

Graça, adorei seus falares sobre o grande, único João Carlos Martins!!]
Um grande abraço de www.copacabanadetoledo.blogger.com.br

Compulsão Diária disse...

NA ponta do verso dedos capazes de superar perdas sâo homenageados com a ponta de um coraçâo imenso> O seu< grauninha

GRAÇA GRAÚNA disse...

CD - minha querida irmã das letras. Obrigada, mais uma vez, por sua doce presença. Bjos de luz, Grauninha