terça-feira, 30 de setembro de 2008

Café com Poesia II


VENHA SABOREAR ESSE "CAFÉ" POÉTICO CONOSCO.


CONVITE

O SESC GARANHUNS, através da Atividade Cultura, tem a honra de convidar V.Sa., digníssima família e amigos, para prestigiarem ao Projeto “Café com Poesia”. O projeto contará com a presença ilustre da conceituada escritora e professora universitária Graça Graúna. Desta vez a intervenção musical ficará por conta do talentoso músico Léo Noronha que interpretará belíssimas canções de nossa MPB em sintonia com o painel temático -
O SER E O TEMPO DA POESIA EM GRAÇA GRAÚNA ”.


 Escrevivência

"Ao escrever,
dou conta da ancestralidade;
do caminho de volta,
do meu lugar no mundo"
(Graça Graúna)


SERVIÇO
PROJETO CAFÉ COM POESIA
DIA: Terça-feira 30 de setembro
HORA: 19h e 30 min
LOCAL: Salão de eventos Jaime Pincho

Entrada Franca!

domingo, 21 de setembro de 2008

marGARIdas

Gari, foto da Internet.



Nem todas as flores
vivem gloriosamente em flor.
Uma delas sobrevive
catando os nossos restos
juntando os nossos pedaços
do playground à lixeira

marGARIda-amarela
marGARIda-do-campo
marGARIda-sem-terra
marGARIda-rasteira
marGARIda-sem-teto
marGARIda-menor

pela terra mais garrida
de maio a maio arrastando
o seu carrinho de GARI.

Catando os nossos restos
juntando os nossos pedaços
vai e vem uma marGARIda
brotar no seu jardim


Graça Graúna. Tessituras da Terra. Belo Horizonte: M.E Edições Alternativas, 2001, p.45 (prefácio de Wilmar Silva).

Nota: no site Overmundo, este poema recebeu 253 votos.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Escritos

Tela: Os amantes, de Nicoletta. Imagem na Internet


...se me ponho a juntar
escritos de gozos
raízes de abraços
bem sei:
não é apenas saudade
ou mesmo lembranças
a dor que me cerca
é algo mais forte
que o tempo da distância
não alivia, nem basta

Graça Graúna. Tessituras da Tera. Belo Horizonte: M.E. Edições Alternativas, 2001, p. 35 [Editado por Tânia Diniz].
Nota: no site Overmundo, este poema recebeu 211 votos.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Serra do Mar



A história foi se formando na paisagem:

nem poluição
nem violência nas ruas

nem jogos sofisticados
nem roupas de grife

barulho nenhum de automóveis
só a voracidade do vento passando por lá



Graça Graúna. Tessituras da terra. Belo Horizonte: M.E. Edições Alternativas, 2001, p. 40.



Nota:

“As migrações dos Guarani Mbyá, em direção ao mar, estão ligadas à procura da Terra sem Mal. Eles buscam a terra prometida (Yvi Mara Ey) neste mundo ou em um paraíso mítico além da Terra. Para os índios Guarani de Bracuí, há três possibilidades para a identificação deste local: depois do mar, no céu ou no Paraguai (centro da terra). O mar ocupa um lugar central na tradição Mbyá. Ao mesmo tempo que ele é um obstáculo para o Guarani transpor e atingir o paraíso – o ponto de chegada-, é , nas suas proximidades, que o destino desse povo pode se realizar. A predileção dos Guarani Mbyá pela Serra do Mar – ao invés da orla, como os antigos Tupi – adquire uma significação especial para esses índios devido ao mito de origem da terra. Ela é o dique do mar (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva).
No site Overmundo, este poema recebeu 215 votos.