sexta-feira, 25 de julho de 2008

Quase idílio


  
Foto: Lucypassos


...vontade de ficar numa rede
recitar poesia
corresponder aos teus abraços e mais coisas....

quero ao pé da fogueira
ouvir o velho Gonzaga
e profundamente
amar você

- Ao som dos foguetes lá longe
as árvores rodeando, nos vigiando.

- O frio, a gente conversando, lendo na rede
(eu adoro rede e tenho uma que uso para ler)
uma rede para nós dois
nosso leito nupcial

Ao pé da fogueira, tanta coisa!
O licor e o milho
o beijo para dar
o abraço e mais coisas...

uma noite de São João
era uma vez
a festa que ele esperou
e ela também, o ano inteiro.
Num instante, tudo se desfez
e só restou a canção

---- * ----

“Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci” (Bandeira).

Hoje, aos sessent'anos
leio Bandeira
Profundamente


Graça Graúna,
Nordeste do Brasil, 25.jul.2008
Nota: no site Overmundo, este poema foi contemplado com votos.

2 comentários:

Educadora em Direitos Humanos disse...

Ver comentários acerca deste poema (Quase Idílio) no site Overmundo - Banco de Cultura.

Ana disse...

amanhã temos rede, milho, gonzaga, fogueira e a saudade de você. Estamos comemorando as marcas daquela escada que fizemos quando a casa foi erguida. Nem sempre precisamos ver o fim da festa, se participamos de todos os pequenos instantes dela. Faz de conta que vc está aqui. Amamos você!