quarta-feira, 2 de julho de 2008

Horas-cheias

Foto: dominio público

nossos passos ecoam
em meio ao frêmito de asas
a poesia vem e vai
se alastrando
como quer a natureza:
gruta
seios
o sol-ponteiro
cabelos ao vento
o arrepio de corpos
em meio a passarada

(Graça Graúna, Nordeste do Brasil, 2 de julho de 2008)
Nota: no site Overmundo, este poema recebeu 151 votos.

Um comentário:

Educadora em Direitos Humanos disse...

Ver comentários acerca deste poema (Horas-Cheias) no site Overmundo - Banco de Cultura:
www.overmundo.com.br