domingo, 2 de dezembro de 2007

Yes,
natal
que é natal
tem que ter estrela
bem no topo da árvore,
de preferência, banhada
de purpurina. Enfeites, efeitos
grifes, beijinhos, velas, guardanapos,
CDs, framboesas, cartões de crédito, postais
e poemas que não falem do absurdo presépio
sob o viaduto
em construção

Graça Graúna. In: Tessituras da Terra -2001, BH-MG

3 comentários:

Wagner Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Nunes.'. disse...

Petrópolis, 22 de dezembro de 2007.

Prezados amigos blogueiros,

Talvez esta seja a minha última postagem do ano de 2007. Venho aqui agradecer aos velhos amigos - aqueles que não desistem de estar a meu lado (rs) - e aos que conheci virtualmente, durante esses seis meses que passei na "clausura", amigos e tanto como a escritora Graça Graúna, AnaKris e seu amor Heitor Kaiová, Yakuy e muitos outros que abrilhantaram os meus dias nebulosos, período digamos, que estive de "férias".
Os que me conhecem mais de pertinho, sabem o quanto está sendo penoso ficar longe das pessoas que amo, longe da civilização.
Não fui feliz aqui, mas valeu a experiência. Aliás, tudo vale a pena, se a alma não é pequena, já dizia o grande poeta Fernando Pessoa.
Procurava um pouco de Paz, isso sim encontrei. Mas ao fugir da violência que se instalou na cidade onde nasci , fui acometida com a pior delas - a violência psicológica. Aqui, as pessoas te matam aos poucos, quando não te dão o direito de mostrar as suas qualidades profissionais; quando brincam com os seus sentimentos, debocham de suas vestimentas; quando você abre a porta de sua casa cedinho e dá um Bom Dia !... e ninguém responde. Um povo altamente preconceituoso, onde o lema é "farinha pouca, meu pirão primeiro"; uma gente abusada, que vive de aparência. Petrópolis é a cidade do "sabe com quem você está falando!?".
Espero que ao entrar o ano de 2008, retorne o mais rápido para o lugar de onde nunca deveria ter saído .
Isso tudo só valeu para me apercebesse que o Rio de Janeiro é a minha cidade e que violenta ou não, é lá que serei sempre feliz ... e que adoro os tiros, os assaltos, os engarrafamentos, as filas de banco, o tumulto do Saara, o enorme calor, as praias abarrotadas ... e também toda a beleza que só a Cidade Maravilhosa proporciona para os que vêm de fora, inclusive o seu povo alegre e hospitaleiro.

Um Feliz ano de 2008 para todos !

E que os ventos voltem a soprar a meu favor novamente.
Há Eveté !

tutekx disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.